Viver é dar sentido profundo às experiências que a vida nos apresenta diariamente. É acolher o trivial, o fugaz, o fugidio do dia a dia e realizá-lo com reverência e devoção. Por outras palavras, o sentido da existência humana independe da magnitude daquilo que se faz, mas está atrelado ao modo como se faz o que a própria vivência apresenta. Neste âmbito, é de se notar o que São João ensina: “Se o grão de trigo não cair na terra e não morrer continuará ele só. Mas, se morrer, dará muito fruto” (Jo 12,24). Assim sendo, percebe-se que o modo de se fazer as coisas em vida é o da mortificação se si mesmo, pois este modo faz nascer muitos frutos. Isso torna a vida mais florida, mais colorida, mais perfumada e mais encantada. 

Sem dúvida alguma, a vida de nosso querido amigo e ex-educador Marcos Cantini foi assim. Sua vivência foi como um grão de trigo, que ao cair na terra produziu muitos frutos: frutos de alegria, esperança, partilha, conhecimento e sabedoria. Foi um grande educador Cleliano que deixou marcado em sua vida o amor ao Coração de Jesus e o dom da fé. Lutou com fé e soube acolher a dor e o sofrimento, assemelhando-os ao de Jesus na Cruz. Aliás, os assemelhou de modo a deixar este mundo justamente na semana em que fazemos memória da morte e ressurreição de Cristo, isto é, na Semana Santa.

Desejamos aos familiares do Marcos (esposa e filhos) nossa oração, presença e solidariedade neste momento de dor. Unidos em oração permaneçamos.